Bem-estar animal (ou ausência do mesmo)

Síntese daqueles que acreditamos serem os principais problemas relacionados com o bem-estar animal em Portugal:

  1. Custo exorbitante e claramente especulativo das esterilizações o que dificulta o acesso às mesmas;
  2. Assistência Médico - Veterinária com preços claramente inflacionados para a realidade económica nacional o que provoca o abandono de animais doentes e/ou idosos;
  3. A lei que permite que, muitas vezes, sem nenhuma razão válida qualquer um possa entregar os seus animais num canil municipal que é, assim, obrigado a recebe-los de imediato sem se procurar primeiro outras alternativas o que gera sobrelotações e consequente abate compulsivo;
  4. O modelo de canil municipal que a lei obriga – corredor ao meio e celas, tipo prisão de alta segurança, corredor da morte para inocentes. Seria menos dispendioso o modelo de parque zoológico mas a lei só permite esse modelo para animais selvagens. Em Castelo Branco criamos o Parque de Bem-Estar Animal, ao estilo de santuário Animal, onde cerca de 250 animais vivem em espaços amplos e naturais evidentemente com abrigos múltiplos e confortáveis (aquecimento incluído);
  5. O gigantesco número de animais abatidos anualmente nos canis municipais autêntico genocídio contra uma espécie;
  6. Veterinários municipais pouco sensibilizados;
  7. Canis inter-municipais que mais rapidamente entram em sobrelotação;
  8. Funcionários (tratadores) de canis municipais sem formação/apetência para o trabalho;
  9. Ausência de programas de apoio a Associações de Protecção Animal;
  10. Associações a trabalhar de costas voltadas umas para as outras sem políticas consertadas, estratégias e modos de actuação articulados (a desunião acarreta fraqueza);
  11. Câmaras muito pouco preocupadas com o problema e pouco sensíveis a apoiar Associações de Protecção Animal preterindo-as nos apoios a outras Associações de cariz cultural e/ou desportivo;
  12. Escassez dramática de voluntariado sério, assíduo, disponível, constante, dedicado pois a protecção animal implica um trabalho diário, continuado, profissional;
  13. Desinformação da população que adquire animais sem possuir as condições necessárias e os abandona em seguida;
  14. Pouca actuação policial e autoridades permissivas que geram sentimentos de impunidade face á contraordenação que é, por exemplo, o abandono;
  15. Ausência de empenho na aplicação da legislação relativa a identificação electrónica de animais de companhia;
  16. Práticas selvagens auto-denominadas de tradição como é o caso das touradas, garraiadas e afins;
  17. Animais selvagens em circos ou como animais de companhia;
  18. Mas condições de alojamento e maus tratos a animais de criação ( galinheiros, furdas imundas, etc);
  19. Animais acorrentados, amarrados em propriedades privadas, com correntes curtas, com pouca comida, água e sem abrigos condignos;
  20. Criação intensiva de animais;
  21. Transportes longos e sem condições de animais;
  22. Comércio de peles e produtos derivados de animais;
  23. Testes e experimentação em animais (atenção biotério Champalimaud).

APAAE
(2009-09-28)

Adoptar
      Fazemos Tosquias, Banhos e temos Centro de Férias para o seu animal. Vamos buscar o animal ao seu domicílio.           Fazemos Tosqui
«  Setembro 2009 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
 123456
789101213
14151617181920
21222324252627
2930 

Inquérito

Um inquérito da iniciativa da APAAE foi levado a cabo junto de todas as turmas do 12º ano das escolas de Castelo Branco, pelos respetivos Diretores de Turma, sobre o que estes jovens, pensam acerca da realização de touradas.
Revelou que 80% dos inquiridos são contrários à realização das mesmas.
Um número tão expressivo deverá fazer-nos refletir.

10 Mai 16

Consulázaro, 3º Aniversário

O Consultório Veterinário da APAAE assinala três anos ao serviço do bem estar de todos os animais de todos os donos.
Consultas, RX, ecografias, vacinas, castrações, banhos e tosquias.

10 Mai 16

Comunicado da APAAE

Esterilizar e Castrar é Amar»»

09 Mai 16

18 Anos sem Abates

A APAAE comemora em 2016, dezoito anos sem abates no concelho de Castelo Branco.
Esperemos que rápidamente este novo paradigma deixe de ser exceção e passe a regra em todo o país!

06 Mai 16

Comunicado da APAAE

Tourada em Castelo Branco»»

29 Jun 15

mais notícias…

seguenos